Confira os destaques dos impactos da Covid-19 na Conjuntura Econômica da Bahia

0
Imagem ilustrativa

Os sinais de aceleração da economia baiana verificados pelo IBGE em junho indicam que a retomada ainda é muito focada em artigos essenciais e dependente do auxílio emergencial concedido pelo governo federal após o início da pandemia. As pesquisas mensais do IBGE mostraram melhora nos três grandes setores da economia pesquisados pelo instituto — indústria, comércio e serviço —, mas a evolução se dá sobre uma base de comparação muito baixa. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento.

A produção física da indústria geral (transformação e extrativa) cresceu 0,6% em junho, na comparação com o mês de maio. O setor apresentou a segunda alta consecutiva, em maio havia registrado aumento de 6,9%. O avanço ocorreu na maioria dos segmentos industriais, na série ajustada sazonalmente, com exceção dos segmentos de alimentos e de derivados de petróleo que já vinham crescendo antes da pandemia. Estes resultados ainda não conseguiram reverter a queda de 27,4% do bimestre março-abril, primeiros meses de distanciamento social para controle da pandemia de Covid-19.

Na comparação com junho de 2019, a indústria baiana assinalou declínio de 14,4%. No segundo trimestre de 2020, comparado com o mesmo período do ano anterior, a indústria baiana caiu 20,5% após registrar crescimento de 6,9% no primeiro trimestre de 2020, devido às quedas, principalmente, nas atividades de Veículos (-94,2%) e Produtos químicos (-13,9%). No primeiro semestre do ano, a indústria baiana registrou queda de 7,3%, em relação ao mesmo período do ano anterior.

O comércio varejista no estado baiano registrou em junho variação positiva de 7,0%, segunda taxa positiva consecutiva na análise sazonal. Na comparação com igual mês do ano anterior marcou queda de 12,6%. No semestre, a taxa do volume de negócios foi negativa em 11,3%. O segmento de Hipermercados e supermercados cresceu pelo quarto mês consecutivo sendo o único segmento a registrar expansão no comércio varejista em 2020.

O setor de serviços, principal motor do PIB baiano, reforça as dúvidas sobre o ritmo de recuperação. Mesmo com crescimento de 3,7% em relação a maio, o volume de serviços ainda está longe de retornar aos níveis do início do ano após as fortes quedas de março e abril. A Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) lembra que a recuperação desse setor tem forte influência sobre o emprego e a renda do baiano.

De acordo com o IBGE, o número de brasileiros sem nenhuma ocupação é recorde e, em maio, o contingente dos desocupados foi maior do que de ocupados pela primeira vez desde o início da pesquisa com o formato atual — situação que se repetiu em junho.

Na comparação com junho de 2019, o volume de serviços na Bahia caiu 23,1%, devido às fortes retrações registradas nas atividades de Serviços prestadas às famílias (-75,5%) e Transportes (-22,8%).  No primeiro semestre o indicador retraiu 16,5%.

As exportações do agronegócio baiano permanecem a pleno vapor e renderam, em julho, US$ 365,8 milhões, um aumento de quase 64% em relação ao mesmo mês do ano passado. O valor é resultado do crescimento de 121,2% nos volumes embarcados, ou seja, mais que o dobro em igual período do ano anterior. A limitação se deu na redução de 26% nos preços médios dos produtos, motivados pela pandemia. Mesmo assim, o setor foi responsável por mais da metade de todas as vendas externas da Bahia no mês (56%).

A combinação “soja e China” continuam a ser o fator preponderante para os bons números das exportações. Também houve desempenho positivo das vendas externas do setor de papel e celulose, que voltou a registrar crescimento em julho, derivados de cacau, café e frutas, dentre outros.

Os detalhamentos dos setores, destacando alguns fatores que podem afetar as atividades de cada um, podem ser acessados no boletim completo no site da SEI.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Fale com a gente